Com toda sinceridade, eu preferia não ter que comentar isto, mas … acabou que eu precisei. Cheguei a falar no meu Facebook ( não, eu não vou divulgá-lo aqui ) mas vou comentar aqui com um pouco mais de tempo aqui.

Como eu disse eu não sou o ateu padrão. Reservo o direito de mandar todo mundo a merda quando quiser. Aliás, reservo o direito de escrever aqui o que eu bem enteder e se você não concorda, problema seu. Eu convivo com isto.

O centro da notícia é claro. Logicamente ninguém pode ser retirado de seu emprego ou até, ficar em um emprego, porque é ou não religioso. Isto fere um princípio básico de liberdade que, acredito eu, é de qualquer cidadão brasileiro.

Eu posso não crer, você pode crer em seu deus cristão, outro maluco pode acreditar em Odin e outro, pode achar que Satanás é a salvação dele. Todos estão no seu direito.

Mesmo que a maioria do país seja cristão, isto não reserva o direito de só os cristão terem direito no território nacional.

Este é o erro do tal vereador de Antônio Prado, já que ele alegou que a moça tem que ser demitida porque não acredita em Deus e ( engraçado, não sei de onde ele tirou tal estatística )  todos os cidadãos são cristãos ( se eu morasse lá ia perguntar para ele se eu havia sido expulso da cidade e poderia processar ele lol ).

Independente disto, a tal moça tem que ser assistida sim em um Tribunal do Trabalho ( e não pelo Ministério Público ) pois sofreu coação em seu emprego.

Não é difícil de pensar que a ATEA ia entrar com uma representação né ? Sim, mas é aí que começa a piada.

A ATEA entrou com uma representação no Ministério Público de ‘PERSEGUIÇÃO RELIGIOSA’.

Para PQP né malucos ? Ela sofreu coação no emprego e somente isto. Eu já vi espíritas serem mandados embora por patrões evangélicos, já vi evangélicos sofrer problemas e onde eles foram procurar abrigo ? Na Justiça do Trabalho que é o lugar para isto.

Mas não né ? Tem que começar esta frescuragem de ser aceito pela sociedade. Um bando de gente que não tem formação de viver na ‘margem’ precisa ser aceitozinho porque foi criado a leite ninho. Puta que o pariu.

A coisa é clara. Ninguém é obrigado a te aceitar. Muito menos de ouvir calado que você é ateu. Pode sim, e com todo direito tentar lhe converter. Pode sim, com todo direito, te retrucar. E sim, tal qual qualquer linha de pensamento que já apareceu no mundo é, com toda certeza, um movimento que já matou, que já criou coisas boas e que ainda vai errar para  caramba.

Este é um fenômeno que eu vejo ao longo dos anos. Uma incapacidade do ateu atual de conviver com aquele ‘vazio’ que ficamos. Este vazio não quer dizer que tenha que ser preenchido com algo, mas sim, que temos que aprender que o ateísmo, como qualquer caminho é um caminho solitário.

Nisto eu concordo com o Bluzão. Para que caramba. Para que este negócio de conhecer outros ateus. Para que conversar sobre ateísmo se a bagaça toda se resume simplesmente em : não acreditar em divindades.

O mais vergonhoso é ter que ver um vídeo do Caio Fábio ( que é pastor, e diga-se de passagem, um dos poucos pastores sábios deste país ) dizendo mais verdades que a maioria dos portais por aí.

Uma coisa é certa … quanto mais velho a gente fica, mais sábio ficamos e aprendemos que frescuragem é coisa de menino mimado que ainda não saiu da saia da mãe. Portanto, geração Y, vai catar cavaco …

Eu vou mudar logo o nome deste site para um cara de péssimo humor, porque falar que é ateu hoje em dia realmente está sendo algo complicado …

 

Zero Hora ,  G1